Fale conosco pelo WhatsApp
Pessário para prevenção da prematuridade
Imagem meramente ilustrativa (Banco de imagens: Shutterstock)
22/09/2023

Saiba tudo sobre essa técnica para prevenção do parto prematuro

O que é o pessário?

O pessário cervical é um dispositivo de silicone, flexível, semelhante a um “donut”, que é colocado por via vaginal, com o objetivo de evitar o parto prematuro em algumas condições bem específicas. É diferente do pessário vaginal para prolapso genital, que é bem menor e não serve para prevenção do parto prematuro.

O interesse sobre o uso do pessário aumentou após importante estudo publicado na revista Lancet pelo grupo de Barcelona. Esse trabalho demonstrou redução do risco de parto prematuro em mulheres com comprimento do colo uterino < 25 mm após o uso do pessário. Diversos estudos surgiram, após essa data, com resultados conflitantes, mas sempre com uma característica: trabalhos em que há treinamento para a colocação tiveram bons resultados, e locais onde não houve treinamento prévio tiveram resultados semelhantes à progesterona.

Existem dois tipos básicos de pessário, o de Arabin e o AM. O de Arabin trata-se do pessário europeu: mais mole, com cor azul ou translúcida, e que possui diversos tamanhos. Os trabalhos europeus utilizaram esse pessário. O AM é um pessário nacional: amarelo, mais rígido e com “dentinhos” no orifício interno que se aderem ao colo.

Neste conteúdo, ainda abordaremos questões como:

  • A funcionalidade do pessário;
  • Quando o uso do dispositivo é indicado;
  • O uso do pessário e as relações sexuais.

Continue a leitura e confira!

Para que serve e como funciona?

O pessário surgiu como uma tentativa de evitar a doença que mais vitimiza crianças no primeiro ano de vida, a prematuridade.

O colo uterino é a parte de baixo do órgão, que fica em contato com a vagina e tem seu comprimento reduzido e sua abertura dilatada no momento do parto.

Diversos fatores podem desencadear um encurtamento anormal do colo uterino durante a gestação, como infecções, malformações do útero, gestação gemelar, alterações anatômicas do colo uterino, entre outros.

Nas pacientes que apresentam encurtamento anormal do colo uterino, o pessário pode ser indicado. O principal objetivo é modificar o ângulo cervical. Isso reduz a força exercida pelo feto na parte interna do colo, podendo evitar seu encurtamento e dilatação.

O pessário é colocado em ambiente ambulatorial, mas a técnica e a experiência são fundamentais. Um estudo publicado pelo grupo de prematuridade da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, cujo setor de ultrassonografia é coordenado pelo Prof. Dr. Alan Hatanaka, demonstrou que são necessárias cerca de 30 colocações de pessário para que os resultados sejam favoráveis.

Quando o uso do pessário cervical é indicado?

A medida do comprimento do colo uterino, observada por meio da ultrassonografia transvaginal, pode predizer se aquela mulher terá parto prematuro. A colocação do pessário deve ser realizada nas pacientes de alto risco a partir de 16 semanas; e nas de baixo risco, durante a ultrassonografia morfológica de segundo trimestre. Quanto mais curto o colo, maior o risco de parto prematuro.

Em pacientes com comprimento do colo uterino inferior a 25 mm, é consenso internacional que tenhamos que utilizar a progesterona natural micronizada por via vaginal. Ela reduz a chance de parto prematuro em cerca de 1/3.

Mas será que, para a mulher com colo curto, reduzir em 1/3 o risco da doença que mais mata e causa sequelas para um recém-nascido é suficiente? A resposta é unânime: “Não”.

O pessário serve exatamente essa população que tem o colo uterino curto, principalmente as mulheres com colo ≤ 20 mm e que não têm história típica de insuficiência istmocervical, situação em que devem realizar cerclagem. A cerclagem será abordada em post separado.

O maior estudo randomizado sobre o pessário foi publicado em 2022, e o Prof. Dr. Alan Hatanaka fez parte do trabalho. Foi demonstrado que o uso do pessário em mulheres com colo ≤ 25 mm reduziu o risco de parto com 34 semanas, ou menos, de 13,9% para 9,9% quando comparado ao uso de progesterona.

É muito importante frisar que o pessário não deve ser utilizado em situações em que a gestante apresenta infecções, sangramento, contrações uterinas, malformações fetais e inserção baixa de placenta. Também não deve ser utilizado como substituto da cerclagem, pois eles têm indicações diferentes.

Quem usa pessário pode ter relações sexuais?

Não! Sem exceções!

O pessário cervical para prevenção da prematuridade é completamente diferente do pessário vaginal para prolapso genital. Ter relações certamente movimentará o pessário e machucará o colo uterino. Isso gera um processo inflamatório, que pode desencadear o parto prematuro. As relações sexuais com o pessário aumentarão a chance de infecções vaginais, que também produzem um processo inflamatório e um consequente parto prematuro. Por fim, a prótese é dura e machucará o genital masculino.

É importante ressaltar que o Prof. Dr. Alan Hatanaka não tem qualquer relação com as indústrias que produzem o pessário, tampouco com as indústrias farmacêuticas que produzem a progesterona.

Saber indicar e, principalmente, contraindicar a colocação do pessário é o princípio básico para o sucesso do tratamento. Há comprovação científica de que é fundamental ter experiência com a técnica de colocação do dispositivo para que exista prevenção do parto prematuro.

Antes da colocação do pessário, é muito importante acolher a mulher, pois trata-se de um momento extremamente delicado. Sem dúvida, a informação com dados científicos trará segurança e dará autonomia para a mulher decidir, junto com o obstetra, sobre o uso do método.

Para maiores informações sobre o uso do pessário, agende uma consulta com o Prof. Dr. Alan Hatanaka.

 

Fontes:

  1. Medicine N. The Arabin pessary for the treatment of threatened mid-trimester miscarriage or premature labour and miscarriage : a case series. 2010;10–1.
  2. Ting YH, Lao TT, Law LW, Hui SYA, Chor CM, Lau TK, et al. Arabin cerclage pessary in the management of cervical insufficiency. Journal of Maternal-Fetal and Neonatal Medicine. 25(12):2693–5.
  3. Goya M, Pratcorona L, Merced C, Rodó C, Valle L, Romero A, et al. Cervical pessary in pregnant women with a short cervix (PECEP): An open-label randomised controlled trial. The Lancet [Internet]. 2012;379(9828):1800–6. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(12)60030-0
  4. Goya M, De La Calle M, Pratcorona L, Merced C, Rodó C, Muñoz B, et al. Cervical pessary to prevent preterm birth in women with twin gestation and sonographic short cervix: A multicenter randomized controlled trial (PECEP-Twins). Am J Obstet Gynecol. 2016;214(2):145–52.
  5. Barinov S V., Shamina I V., Lazareva O V., Tirskaya YI, Ralko V V., Shkabarnya LL, et al. Comparative assessment of arabin pessary, cervical cerclage and medical management for preterm birth prevention in high-risk pregnancies. Journal of Maternal-Fetal and Neonatal Medicine. 2017;30(15):1841–6.
  6. França MS, Hatanaka AR, Cruz JDJ, Júnior LDA, Emy T, Hamamoto K, et al. Cervical pessary plus vaginal progesterone in a singleton pregnancy with a short cervix : an experience-based analysis of cervical pessary ’ s efficacy. The Journal of Maternal-Fetal & Neonatal Medicine [Internet]. 2021;0(0):1–11. Available from: https://doi.org/10.1080/14767058.2021.1919076
  7. França MS, Hatanaka AR, Andrade Junior VL de, Elito Junior J, Pares DBS, Hamamoto TENK, et al. Cervical Pessary Plus Progesterone for Twin Pregnancy with Short Cervix Compared to Unselected and Non-Treated Twin Pregnancy: A Historical Equivalence Cohort Study (EPM Twin Pessary Study). Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia / RBGO Gynecology and Obstetrics [Internet]. 2020 Oct 31;42(10):621–9. Available from: http://www.thieme-connect.de/DOI/DOI?10.1055/s-0040-1713806
  8. Pacagnella RC, Silva T V., Cecatti JG, Passini R, Fanton TF, Borovac-Pinheiro A, et al. Pessary Plus Progesterone to Prevent Preterm Birth in Women With Short Cervixes. Obstetrics & Gynecology. 2022 Jan;139(1):41–51.
  9. Nicolaides KH, Syngelaki A, Poon LC, Picciarelli G, Tul N, Zamprakou A, et al. A Randomized Trial of a Cervical Pessary to Prevent Preterm Singleton Birth. N Engl J Med. 374(11):1044–52.
  10. Dugoff L, Berghella V, Sehdev H, Mackeen AD, Goetzl L, Ludmir J. Prevention of preterm birth with pessary in singletons (PoPPS): randomized controlled trial. Ultrasound in Obstetrics and Gynecology. 2018;51(5):573–9.
  11. Berghella V, Dugoff L, Ludmir J. Prevention of preterm birth with pessary in twins (PoPPT): a randomized controlled trial. Ultrasound in Obstetrics and Gynecology. 2017;49(5):567–72.
  12. Cruz-Melguizo S, San-Frutos L, Martínez-Payo C, Ruiz-Antorán B, Adiego-Burgos B, Campillos-Maza JM, et al. Cervical pessary compared with vaginal progesterone for preventing early preterm birth a randomized controlled trial. Obstetrics and Gynecology. 2018;132(4):907–15.
  13. Saccone G, Maruotti GM, Giudicepietro A, Martinelli P, Group for the IPBP (IPP) W. Effect of Cervical Pessary on Spontaneous Preterm Birth in Women With Singleton Pregnancies and Short Cervical Length. 318(23):2317–8. Available from: http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?doi=10.1001/jama.2017.18956
  14. World Health Organization. CC BY-NC-SA 3.0 IGO. Geneva; 2023 [cited 2023 Jul 14]. p. 1–126 Born too soon: decade of action on preterm birth. Available from: ttps:// creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/ igo).
  15. Romero R, Espinoza J, Kusanovic JP, Gotsch F, Hassan S, Erez O, et al. The preterm parturition syndrome. BJOG. 2006;113(SUPPL. 3):17–42.
  16. Cobaleda MM, Ribera I, Maiz N, Goya M, Carreras E. Cervical modifications after pessary placement in singleton pregnancies with maternal short cervical length: 2D and 3D ultrasound evaluation. Acta Obstet Gynecol Scand. 2019;98(11):1442–9.
  17. Werner EF, Han CS, Pettker CM, Buhimschi CS, Copel JA, Funai EF, et al. Universal cervical-length screening to prevent preterm birth: a cost-effectiveness analysis. Ultrasound in Obstetrics & Gynecology. 2011 Jul;38(1):32–7.
  18. Hatanaka AR, Traina E, Franca MS, Mattar R. Rastreamento Ultrassonográfico do Parto Prematuro Espontâneo – Protocolo de Conduta do Departamento de Obstetrícia da Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo. 2021. p. 1–10.
  19. Hatanaka AR, Souza E de, Ferreira EC, França MS, Souza RT. www.sogesp.com.br. 2022. Predição do Parto Pré-Termo – Recomendações SOGESP.
  20. Hatanaka AR, Mattar R, Kawanami TEN, França MS, Rolo LC, Nomura RMY, et al. Amniotic fluid “sludge” is an independent risk factor for preterm delivery. Journal of Maternal-Fetal and Neonatal Medicine. 2016;29(1):120–5.
  21. Bortoletto TG, Silva T V, Borovac-Pinheiro A, Pereira CM, Silva AD, França MS, et al. Cervical length varies considering different populations and gestational outcomes: Results from a systematic review and meta-analysis. PLoS One. 2021;16(2):e0245746.
  22. Coutinho CM, Sotiriadis A, Odibo A, Khalil A, D’Antonio F, Feltovich H, et al. Practice Guidelines: role of ultrasound in the prediction of spontaneous preterm birth. Ultrasound in Obstetrics & Gynecology. 2022 Sep 29;60(3):435–56.
  23. Romero R, Conde-Agudelo A, Da Fonseca E, O’Brien JM, Cetingoz E, Creasy GW, et al. Vaginal progesterone for preventing preterm birth and adverse perinatal outcomes in singleton gestations with a short cervix: a meta-analysis of individual patient data. Am J Obstet Gynecol [Internet]. 2018;218(2):161–80. Available from: https://doi.org/10.1016/j.ajog.2017.11.576
  24. Conde-Agudelo A, Romero R, Da Fonseca E, O’Brien JM, Cetingoz E, Creasy GW, et al. Vaginal progesterone is as effective as cervical cerclage to prevent preterm birth in women with a singleton gestation, previous spontaneous preterm birth, and a short cervix: updated indirect comparison meta-analysis. Am J Obstet Gynecol [Internet]. 2018;219(1):10–25. Available from: https://doi.org/10.1016/j.ajog.2018.03.028
  25. Cahill AG, Odibo AO, Caughey AB, Stamilio DM, Hassan SS, Macones GA, et al. Universal cervical length screening and treatment with vaginal progesterone to prevent preterm birth : a decision and economic analysis. YMOB [Internet]. 2010;202(6):548.e1-548.e8. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.ajog.2009.12.005
  26. Pacagnella RC, Mol BW, Borovac-Pinheiro A, Passini R, Nomura ML, Andrade KC, et al. A randomized controlled trial on the use of pessary plus progesterone to prevent preterm birth in women with short cervical length (P5 trial). BMC Pregnancy Childbirth. 2019;19(1):442.